quarta-feira, 12 de agosto de 2009

História da Comunidade Betel!

Texto lido por mim, no aniversário da Comunidade Betel do Rio de Janeiro, que quero compartilhar com vocês:





No princípio Deus chamou o Pr. Márcio e a mim...
Pr. Márcio Retamero estava há meses sem congregar em uma Igreja Cristã, e eu, há duas semanas me sentia como os hebreus no cativeiro da Babilônia, com saudades dos louvores, da adoração, sentindo falta da minha Mãe Celeste, a Jerusalém de Cima, a Igreja do Senhor.

“Junto aos rios da Babilônia nos assentamos e choramos, lembrando-nos de Sião.
Nos salgueiros que há no meio dela, penduramos as nossas harpas.” Salmo 137

Mas porque continuar sozinhos, quando o Senhor nos manda nos ajuntar para derramar a sua presença na comunhão dos que se amam? Podemos juntos louvar ao Senhor!
Foi assim que resolvemos nos unir, pois o Senhor estava a nos chamar. No domingo, 13 de Novembro de 2005, o Senhor realizou em nós a concepção de um pequeno grupo de adoradores, que não possuíam quaisquer objetivos de criar uma igreja institucional, mas apenas o de juntos adorar ao Deus que nos tinha chamado e resgatado. Ainda ardia em nosso peito as dores causadas pela igreja institucional, as feriadas estavam abertas e visíveis, presentes em nós. A mensagem que o Senhor nos propôs para aquela noite de 13 de novembro de 2005, a noite da concepção do que viria a ser Betel, foi:

“Cristo nos libertou para que sejamos de fato livres. Estai, pois, firmes e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da escravidão”. Gál. 5:1.

E Deus, que é Soberano e está acima das nossas vontades, começou a curar nossas feridas e a amolecer nossos corações, endurecido pela dureza da religião. Semanas depois, com a chegada do irmão Franco, os objetivos de Deus foram sendo mais aclarados, cada vez mais, para o nosso pequeno grupo. A pequena fraternidade se estabelecia e se solidificava num núcleo formado por: Márcio, Wagner, Franco, André Benício, Andréia, Rodrigo e eu, além de outros freqüentadores exporádicos.
Pouco tempo depois Betel, como Betel, surge em nossos sonhos, inspirada pelo Espírito de Deus, que nos direcionou para sermos o que temos sido: Casa de Deus, Casa de Cura, Casa de Luz, Casa de Acolhida para Todos os Povos.
Os sonhos de Deus para Betel, pouco a pouco nos eram revelados. [Sim, revelados! Pois Deus, em sua Soberana Vontade e Misericórdia escolheu três pessoas de espiritualidade completamente pentecostal (Pr. Márcio, Franco e eu) para dar os primeiros passos no que se tornaria uma Comunidade Cristã de liturgia tradicional e reformada, mostrando assim a sua multi-forme graça e diversidade.] Estava nascendo uma Comunidade de Fé missionária, não presa às amarras da religião, e destinada a profetizar duramente contra a opressão e tirania religiosa contra as minorias, especialmente contra a Comunidade LGBT.
“Muitos sonhos, Betel é um sonho!” foram as palavras emocionadas da Rev. Darlene Garner quando nos visitou pela primeira, em sua visita apostólica, ainda em nossa “gestação”. Éramos um grupo de sonhadores, sonhando com a Justiça de Deus, que haveria de se manifestar em breve.
E Deus continuou a aconchegar em sua “Casa” os que Ele chamou: Marcos André, Marcell, Maria e Fabiana, Lucinaldo, Humberto. O núcleo crescia e se preparava para o parto, e sofria com as dores do nascimento, as angústias e incertezas. Mas o Senhor estava à frente da sua Obra e nunca nos desamparou.
Nove meses depois, e depois de muito trabalho, em 06 de Agosto de 2006, nascia publicamente Betel, naquele momento Igreja da Comunidade Metropolitana Betel, na cidade do Rio de Janeiro. Continuávamos sem ouro, sem prata, sem músicos, sem equipamentos modernos, sem luzes e sem néons... Mas tínhamos os sonhos sonhados por Deus pra nós. E isso bastava!
O texto do culto inaugural foi:

“Cristo nos libertou para que sejamos de fato livres. Estai, pois, firmes e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da escravidão”. Gál. 5.1

Neste dia, Deus chamou para a sua colheita: Léa e Maria Luiza, Cleiton e nosso irmão Cardo, que acompanhava Betel de longe, desde suas primeiras reuniões no lar. No segundo Culto, Deus alistou Adilson. E, através destes muitos outros, todos nós que aqui estamos hoje.

Deus tem colocado Betel, desde o início, num longo processo de desintoxicação espiritual, de “descocainização” da alma. Estamos num longo processo de desconstrução e reconstrução de nós mesmos e do significado da palavra Igreja.
Betel tem nos mostrado que Deus ainda age, que o Pentecostes não ficou para trás, que o grito de libertação, que São Paulo fez aos Gálatas, aqui ainda ecoa.
Betel tem sido bálsamo para curar. Tem sido uma Casa de Recuperação de pecadores e dos abusos cometidos pela religião. Estamos todos em processo de recuperação.
Betel é a liberdade plena no Espírito Santo. Amor sem limites. Betel é o grito de libertação dos marginalizados e oprimidos. Betel é Casa de Deus e Porta do Céu para os pecadores, para nós pecadores.

E, assim como Deus, pela escrita de São Paulo, falou aos selvagens gálatas, descendentes dos gauleses, assim nos diz hoje, meu irmão e minha irmã, na selvagem cidade do Rio de Janeiro, no dia 06 de Agosto de 2009:

4:31. “De maneira que, irmãos e irmãs, somos filhos, não da escrava, mas da livre.
5:1. “Cristo nos libertou para que sejamos de fato livres. Estai, pois, firmes e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da escravidão”.

Betel, como corpo e não como instituição, é hoje filha da livre. Casa de Libertação para os escravizados da religião.
Aqui o Senhor nos chamou para que considerássemos o alto preço que pagou por nós. E para que proclamemos a todos e todas as suas maravilhas e misericórdias.
Somos Betel, desde antes da fundação do mundo, filhos da Livre, não da escrava.
E o Senhor, meu irmão e minha irmã, há de nos ajudar a caminhar como o que somos: Livres. Não nos deixando cair novamente no jugo da escravidão. E nos auxiliando para que auxiliemos os outros que aqui chegarem a seguirem o mesmo caminho de liberdade em Cristo Jesus, mostrando sua MARAVLHOSA GRAÇA. Amém.

Gustavo,
Diácono e co-fundador da Comunidade Betel do Rio de Janeiro

2 comentários:

David Barcelar disse...

A igreja verdadeira deve incluir pessoas excluir pecados! ?Entao chamo de pecado aquilo que a bibilia diz que é pecado o homossexualismo é pecado.

Luiz Gustavo disse...

David, tudo bem? Você pode encontrar respostas às suas perguntas em todo o Blog, ou no site das ICM's: www.icmbrasil.com www.betelrj.com e no Blog da ICM Baixada www.icmbaixada.blogspot.com
Fique a vontade para sempre trazer suas dúvidas. Que Deus te abençoe!